pesquisas

investigamos principalmente

Building Information Modeling e
Simulação Computacional

Automatização de processos projetuais em arquitetura e urbanismo: prática e reflexão

FAPEMIG 01926-17

Desde uma publicação do livro Arquitetura Performativa (KOLAREVIC e MALKAWI, 2005), os arquitetos têm se precupado cada vez mais em usar o bom desempenho como princípio norteador do projeto. Essa conduta sempre esteve presente nas obras de Antoni Gaudí, Henz Isler e Frei Otto, mas, segundo estes autores, a disponibilidade atual de aplicativos de simulação facilitou enormemente a incorporação dos resultados da análise de desempenho, principalmente estrutural e ambiental, nos estágios iniciais do projeto. Contudo, o feedback dos resultados dessas análises nem sempre é feito de maneira automatizada e demandam técnicas especializadas de modelagem paramétrica e prototipagem rápida, ou que envolvem a aplicação de condutas específicas. Nesta pesquisa, pretendemos investigar as possibilidades e limitações dessas condutas para a solução de problemas contemporâneos em arquitetura e urbanismo.

#SimulationBasedArchitecture #GenerativeDesign

Projetos individuais vinculados

[MONTEIRO, J. Incorporação de análises aerodinâmicas nos processos decisórios das construções: possibilidades e limitações para as condutas projetuais]

[SILVA, T. A síntese projetual em meio a arquitetura performativa: geração, simulação e reflexões sobre o contexto contemporâneo de projeto]

[MAIA, N. Heurística ou simulação? Uma negociação entre respostas humanas e digitais no contexto contemporâneo de projeto]

[BASSO, D. Perspectiva sobre a caminhabilidade em espaços urbanos à partir do reconhecimento de padrões em modelagem baseada em agentes]

[SILVA, A. Laboratórios de fabricação digital como difusor de recursos tecnológicos em processos contemporâneos de projeto: contributos para o ensino]

[FERREIRA, R. Automatização de processos interpretativos em arquitetura a partir de um modelo baseado em agentes]

Interoperabilidade em plataformas BIM:
estratégias para implementação

PROLAB 002-2018

A interoperabilidade é uma característica de um produto ou sistema, cujas interfaces são completamente compreendidas, para trabalhar com outros produtos ou sistemas, sem restrições de acesso. Atualmente, esta é uma das grandes dificuldades do Building Information Modeling (BIM), pois, nos ambientes de projeto, é preciso mais do que transferir informações, é necessário transferir significado. Para se conseguir isso, os diversos profissionais devem se referir a um modelo de referência comum de troca de informações. No entanto, quando um fornecedor é forçado a adaptar seu sistema a um sistema dominante que não se baseia nos padrões abertos, não existe a interoperabilidade, mas apenas a compatibilidade. Este projeto busca investigar estratégias de interoperabilidade na área de Arquitetura, Engenharia e Construção (AEC) em plataformas BIM, a fim de permitir a integração de conhecimentos durante a construção da solução arquitetônica. A partir de experimentos utilizando um servidor, serão produzidos protocolos para a geração de informações aliadas ao seu compartilhamento em modelos virtuais paramétricos, alimentando-os com características físicas e funcionais em processos de colaboração remota. Como resultado, espera-se tirar conclusões sobre as possibilidades e limitações dessa estratégia em ambientes profissionais, buscando incorporá-la à estratégias de ensino que atualmente utilizam plataformas de projetos colaborativos.

#BuildingInformationModeling #Interoperability

Projetos individuais vinculados

[DARIVA, M. Automatização informacional de sistemas hidrossanitários prediais através de tecnologia BIM e RA]​

[PICCELLO, I. Interoperabilidade na gestão de projetos de arquitetura: simulação com  vista à interferências]

Desenvolvimento de metodologia utilizando o conceito BIM aplicado a projetos de subestações integrado à Sistema de Informação Geográfica 

e ao Enterprise Resource Planning (ERP)

ELETROBRÁS FURNAS

A metodologia BIM (Building Information Modeling) adota conceitos de modelos com grande nível de desenvolvimento (LOD Level of Development) no âmbito de modelagem geométrica e de atributos, associada com modelos virtuais (3D). Em conjunto com as tecnologias que adotam a metodologia BIM, a adoção do GIS (Geographic Information System) permite uma representação espacial de uma superfície física em um contexto de modelagem digital, principalmente com a associação à camadas de interface humanocomputador suportadas por Realidade Virtual e Aumentada. Neste contexto, este projeto trata da integração destas técnicas, com resultado inovador na área de engenharia, manutenção e operação de Subestações de Energia Elétrica. Ao combinar BIM com GIS é possível obter uma informação mais consistente durante a fase de obras, obtendo-se vantagens na avaliação desde o planejamento e, se unido ao GIS, tornando mais precisas e pertinentes as condições de localização e do entorno da subestação. A associação entre essas plataformas permite uma visão geral do projeto de maneira mais intuitiva, tornando-as aderentes ao planejamento, projeto, construção, a operação e manutenção preventiva e corretiva.

#BuildingInformationModeling #Interoperability

Gamificação de processos de simulação em arquitetura e urbanismo: disrupções a partir da inteligência artificial

FAPEMIG APQ-01287-21

Embora os processos de investigação formal (form-finding)  sejam considerados essenciais nos contextos de criativos em Arquitetura e Urbanismo, sua evolução em ambientes virtuais esteve muito mais ligada aos aspectos de modelagem do que simulação dinâmica, entendendo está última não apenas como um meio de imitar o funcionamento de uma operação ou processo, mas, sobretudo, de alterar os sistemas a partir da ideia de gamificação, que é o uso de mecânicas de jogos para propiciar uma interação mais profunda entre o usuário e o sistema. A presente pesquisa pretende vincular as condutas de investigação da forma com a noções de inteligência artificial e gamificação, buscando transpassar a jogabilidade até os níveis de aprendizagem pelo exercício, tanto na academia, quanto nos escritórios, durante a construção de simulações interativas. Uma vez que o viés epistemológico nestas áreas avançou sem uma agenda, orientação teórica ou uma imagem clara sobre suas aplicações, propõe-se a construção de um artefato tecnológico, mensurado a partir de reduções e incertezas experimentais, a fim de construir inferências sobre a estrutura conceitual das simulações computacionais produzidas especificamente para o contexto da gamificação.

#Gamification #Simulation-BasedArchitecture #PerformativeArchitecture #Information-basedModeling #Rapid-prototyping.